Dar de mamar com confiança | Bioderma Portugal

Allez au contenu Allez à la navigation

31 Março 2017

Patrícia Lamúrias (Pais&filhos)

Dar de mamar com confiança

Amamentar nem sempre é tão fácil quanto parece. Para algumas mães a tentação de desistir acompanha-as quase desde o primeiro momento.
Saiba como ultrapassar as dificuldades que podem surgir.

Dar de mamar com confiança

Em Portugal, as estimativas indicam que mais de 90 por cento das mães saem da maternidade a dar de mamar. Mas esse valor desce drasticamente entre os dois e os três meses do bebé para cerca de 50 por cento. As recomendações da Organização Mundial de Saúde são para dar de mamar em exclusivo até aos seis meses de vida do bebé e como complemento até aos dois anos pelo menos. O leite materno é o melhor alimento para o recém-nascido e contém anticorpos únicos que reforçam o seu sistema imunitário. Diversas investigações têm vindo a comprovar os benefícios da amamentação na prevenção de alergias, obesidade, diabetes, cancros, problemas respiratórios e de visão. Os bebés que mamam, asseguram ainda vários estudos, são mais inteligentes. Dar de mamar é mais prático (não há necessidade de preparar biberões, nem de aquecer o leite), mais económico e mais saudável para a mãe. Mas, ao contrário do que muitas vezes se pensa, dar de mamar nem sempre acontece de forma natural. É preciso aprender.

Nos primeiros tempos, é provável que o bebé não tenha horas certas para mamar. Dentro da barriga, tinha alimento quando queria, na quantidade que queria, sem pedir. Agora, é normal que assim também o exija. Dar de mamar de três em três horas e descansar nos intervalos é um cenário idílico que poucas vezes acontece. Além de alimento, a mama também é afeto, conforto e segurança. É a melhor forma de acalmar o bebé e uma momento de amor único entre mãe e filho que, tal como outros, não deve ter hora marcada.

A duração da mamada também não deve ser rígida, pois cada bebé tem o seu ritmo de sucção. Uns mamam o que precisam em cinco minutos, outros em 40. O importante é que esvazie a mama por completo, pois a composição do leite vai-se alterando. Primeiro é mais rico em água e lactose, depois vem o leite mais gordo, que dá ao bebé a sensação de satisfação. Se depois de esvaziar a primeira mama continuar com fome, poderá oferecer-lhe a outra. 

dores e dúvidas

Mastites (mama inflamada), gretas e fissuras nos mamilos ou ingurgitamento mamário (sensação de mama cheia e em pedra) são algumas das lesões que podem afetar o peito quando se está a dar de mamar. Podem ser dolorosas e em alguns casos precisam de tratamento específico. Estes problemas surgem quase sempre como consequência de o bebé estar a pegar mal na mama. Se o bebé não agarra bem na mama, além de magoar a mãe, não retira bem o leite. Por isso, mama com mais frequência, o que provoca um maior desconforto.

Para fazer uma boa pega, o bebé precisa de abrir bem a boca, como se estivesse a bocejar, abocanhar o mamilo e parte da aréola, manter o queixo encostado à mama e ter os lábios virados para fora. Se dar de mamar doí é porque o bebé não está bem colocado e deve procurar-se mudar de posição.
Além de ter de lidar com as suas próprias dúvidas e inseguranças, as mães convivem ainda entre constantes pressões para dar de mamar… e para não dar de mamar. Se, por um lado, os benefícios de dar de mamar são amplamente divulgados e todos os especialistas recomendam a amamentação, por ser “o melhor” para o bebé, por outro, um simples comentário de um amigo ou familiar pode deitar por terra toda a segurança de uma mãe. Basta dizer que “se o bebé está a chorar é porque tem fome” ou “está tão magrinho, o leite não deve ser suficiente”.

Segurança e informação são essenciais para dar de mamar com sucesso. A falta de contacto com outras mães a amamentarem contribui muito para o desconhecimento do processo. Muitas mães nunca viram outras dar de mamar e cresceram a dar biberões aos bonecos. É normal não saber e ter dúvidas. Mas é preciso não ter vergonha, nem receio e procurar ajuda. No entanto, nem sempre é fácil encontrar ajuda adequada, pois muitos profissionais de saúde não têm formação nesta área e é por isso que há tanta informação contraditória. O indicado é certificar-se de que a pessoa a quem recorre tem formação em aleitamento materno. Às vezes, basta ouvir as palavras certas para uma mãe se sentir validada e ganhar a confiança necessária para amamentar o seu bebé.

Onde procurar ajuda

SOS Amamentação
http://sosamamentacaopt.blogspot.pt
A Linha SOS Amamentação funciona 24 horas por dia.
Existem vários números de telefone disponíveis na página on-line.

Mamar ao  Peito
http://mamaraopeito.blogspot.pt
Blogue de duas conselheiras de amamentação.

Leite Materno
http://www.leitematerno.org
Site criado pela médica Celina Pires com muita informação útil para uma amamentação de sucesso.

Cantinhos da amamentação
Os Cantinhos da Amamentação são espaços dedicados à amamentação, onde uma enfermeira com formação em aleitamento materno está disponível para ajudar mães em apuros. Existem vários pelo país, nos centros de saúde ou nas maternidades.

Manual Prático do Aleitamento Materno
O livro de Carlos González, pediatra espanhol especialista em amamentação, responde a todas as perguntas sobre amamentação, desmitificando ideias feitas e dando confiança às mães que querem amamentar.

 

Por Patrícia Lamúrias (Pais&filhos)